Categorias
Inovação

História das grandes marcas de sucesso

História das grandes marcas de sucesso

imagem história das grandes marcas

         No início da revolução industrial com o começo da produção em massa de itens de consumo, as marcas surgiram para diferenciar os produtos de diferentes fabricantes para atrair a atenção dos clientes para uma nova gama de produtos que começava a surgir. Isto servia principalmente para testar quem não conhecia aquele produto que, muitas vezes vinha de longe e sua qualidade era igual ou até superior àquele que estava acostumado a comprar de um fornecedor local.

        Com o passar dos anos, as marcas se tornaram cada vez mais importantes, as indústrias começam a perceber que a marca em si já se tornava objeto de desejo dos consumidores, desenvolvendo relacionamentos muito menos racionais e mais emocionais com elas. Assim, embalagens diferenciadas, logotipos, slogans, anúncios e cartazes ganharam mais cores, e elementos criativos começam a surgir para atrair o público. Abaixo temos a história das grandes marcas da indústria mundial:

 

Bugatti

 

         A marca Bugatti teve origem com o italiano Ettore Bugatti no início do século 20, o jovem milanês, filho do arquiteto e designer Carlo Bugatti, criou seu primeiro veículo motorizado aos 18 anos, e seu primeiro carro, o Type 2, ganhou um prêmio internacional em 1901.

 

      Foi apenas em 1909 que Ettore fundou a Automobiles Ettore Bugatti, depois de uma pausa durante a Primeira Guerra Mundial, a empresa retomou as atividades com foco em carros de competição na década de 20 e, em 1925, os veículos da Bugatti já acumulavam a impressionante marca de 412 vitórias. Depois desses acontecimentos, várias reviravoltas aconteceram: Jean Bugatti (filho de Ettore Bugatti) morreu aos 30 anos de idade em um acidente automobilístico, a Segunda Guerra explodiu e o próprio Ettore faleceu em 1947.

       A empresa entrou em declínio e fechou em 1956, sendo ressuscitada no fim da década de 80 por um empresário italiano responsável pela criação do Bugatti EB 110, um dos modelos mais icônicos da marca.

 

    No entanto, a fase italiana da Bugatti durou pouco: em 1995 a “nova” empresa também faliu, 3 anos depois, a Volkswagen resolveu investir pesado para trazer a marca de volta. E em 2005, depois de muito dinheiro e tempo investidos, o Bugatti Veyron nasceu: ele foi batizado em homenagem a Pierre Veyron, um dos pilotos que venceu a competição de Le Mans em 1939, e foi o principal responsável pelo renascimento da Bugatti na era moderna, popularizando assim a marca novamente.

LEGO

 

       A Lego nasceu de uma das maiores crises já vividas pela Europa, Ole Kirk que era o dono de uma loja de artigos de madeira, na cidade de Billund onde criava e vendia móveis para as casas dos fazendeiros da região. Em 1929 a Grande Depressão trouxe um cenário difícil para o carpinteiro, já que ninguém mais podia gastar dinheiro com nada além do necessário, ele decidiu criar miniaturas de móveis e foi isso que o incentivou a produzir brinquedos.

 

     O nome Lego é uma redução da frase “leg godt”, que, em dinamarquês, significa “brincar bem”. No início, era tudo de madeira: cofrinhos, carros, caminhões, casas. O negócio não era muito rentável, mas era melhor do que continuar vendendo móveis, que poucas pessoas podiam pagar naquele momento. Alguns agricultores da região, por vezes, ofereciam comida em troca dos brinquedos.

 

     Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, em meados da década de 40, o plástico chegou à Dinamarca, uma das primeiras medidas de Kirk foi comprar uma máquina de moldagem do novo material. Ele patenteou, então, as famosas peças de encaixar e assim construiu o seu legado através dessa simples ideia.

 

Activia

 

      A trajetória da Activia começou em 1980 quando pesquisadores e cientistas da Danone deram início aos estudos sobre como criar um iogurte funcional. Depois de anos de estudos os cientistas do Vitapole, centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Danone, criaram um iogurte que além de ter todos os componentes dos produtos homônimos, ainda continha o microrganismo vivo(DanRegularis), o que melhora o trânsito intestinal em até 40%, quando consumido diariamente.

 

        O lançamento começou na França em 1987 com o nome Bio. No começo o produto não teve grande sucesso, mas ao ser relançado em 1997 como ACTIVIA e com grande investimento de marketing, o produto alcançou sucesso mundial tornando-se o segundo na área da saúde intestinal e o primeiro no mercado europeu e norte-americano.

 

        No Brasil, só contaria com Activia em 2004, mas ela logo se tornou a principal marca no setor. Percebendo que o consumo poderia ser bem aceito por outros públicos (o foco principal eram as mulheres) expandiu sua campanha para homens, idosos e crianças lançando produtos com versões light, com polpa ou pedaços de frutas e natural.

         Gostou do nosso conteúdo? Entre já em contato para poder agendar sua reunião conosco!
3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!

Categorias
Engenharia Elétrica Projetos Elétricos

Projeto de Instalações Elétricas: benefícios

Projeto de Instalações Elétricas: benefícios

imagem projeto de instalações elétricas

Um projeto de instalações elétricas deve ser de qualidade, evitando desta forma, possíveis acidentes como excesso de gasto de energia, queima de eletrodomésticos e até mesmo incêndios.

Quando se trata de um projeto de instalações elétricas, normalmente as pessoas não veem a real importância de se realizar o projeto. Um projeto de instalações bem feito pode reduzir significativamente a conta de luz em casas e empresas, tanto como evitar danos causados por acidentes elétricos. Neste artigo, explicaremos a importância do projeto de instalações elétricas e seus principais benefícios.

  1. Economizar na fatura de energia elétrica

Um fio elétrico com tamanho não adequado para o uso, pode esquentar mais do que deveria, dissipando energia elétrica na forma de calor. Tomadas específicas para equipamentos de alta potência (ar condicionados, máquinas de médio/grande porte e motores) devem ser dimensionadas e planejadas para equipamentos específicos, caso isso não seja levado em consideração na hora da instalação dos equipamentos, o aparelho além de não trabalhar de forma correta, consome ainda mais energia e diminui o índice de Fator de Potência, gerando multas enormes na fatura de energia.

Além disso, consultar uma empresa especializada para adotar medidas mais sustentáveis, como utilizar a energia solar fotovoltaica pode ser uma ótima alternativa para economizar.

  1. Economizar materiais na obra

Ao final de toda obra, uma boa quantidade de materiais acaba sempre sobrando, que muitas vezes é descartado. Isso pode ser evitado com um bom projeto de instalações, estimando a quantidade certa e o melhor tipo dos fios e eletrodutos que serão utilizados antes da obra começar, otimizando o uso de materiais e ajudando a economizar.

  1. Evitar danos na rede e incêndios decorrentes de acidentes elétricos

O incêndio no Edifício Wilton Paes de Almeida, no centro de São Paulo, que vitimou nove pessoas e pôs abaixo 24 andares entrará para as estatísticas da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel). O incêndio começou em decorrência de um curto-circuito, atribuído ao excesso de equipamentos em uma mesma tomada, às “gambiarras” elétricas, às instalações elétricas antigas e à falta de manutenção das instalações. É importante lembrar que uma instalação elétrica não deve ser feita apenas para funcionar, mas também para ser segura. Além disso, o investimento em um projeto de instalações elétrica é bem menor do que os custos com a manutenção de equipamentos e da rede após um acidente elétrico.

Nós da INOVATECH EJ. nos preocupamos em oferecer esse serviço com qualidade, segurança e conforto, de acordo com as normas de segurança da NBR5410. Se ainda estiver com alguma dúvida, fale com a gente e faça um orçamento gratuito!

3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!

Categorias
Energia Renovável Engenharia Elétrica

Energia Infinita: é realmente possível?

Energia Infinita: é realmente possível?

imagem energia infinita

    Infelizmente temos que dizer que não é possível, mas calma, iremos explicar o porquê disso. Nos dias atuais, com a inovação da tecnologia, podemos observar um crescente uso da energia elétrica e devido a isso, muitos tentam buscar alternativas para economizar. Algumas ideias acabam dando certo, como painéis fotovoltaicos. Porém, outras ideias acabam não tendo esse mesmo sucesso e é aí que entra o gerador de energia infinita. Se pararmos para pensar, é algo que iria inovar o mundo, imagine poder gerar sua energia infinitamente, reduzindo exponencialmente seu gasto de energia sem problemas, sem preocupações, isso seria maravilhoso, não? Mas, deixando a ficção de lado e levando em conta o ponto de vista físico, esse gerador não se mostra nada viável.

Uma história movida por tentativas e erros

    No decorrer da história, podemos observar que alguns grandes cientistas demonstraram interesse pelo assunto envolvendo moto contínuo, como Bhaskara (conhecido pela fórmula que tanto amamos), o estudioso esboçou uma roda com recipientes na ponta, sendo estes preenchidos de mercúrio. A ideia era que o liquido se deslocasse permitindo a continuidade do movimento, porém ele não obteve sucesso. Seguindo o mesmo princípio, o francês Villard de Honnecourt tentou a proeza, alterando o modelo original, novamente o êxito foi inexistente. Mas isso não impediu do grande Leonardo Da Vinci esboçar seus próprios modelos, que anos mais tarde seriam testados e novamente descartados, comprovando que nem mesmo sua genialidade tornou possível a construção de um moto contínuo.

A física por trás do gerador de energia infinita

    Você deve estar se perguntando: Por que todos eles não obtiveram sucesso nesses experimentos? Encontraremos a respostas dentro da física, mais precisamente dentro do campo da termodinâmica. Segundo a primeira lei da termodinâmica, energia não pode ser criada, apenas transformada, ou seja, não podemos criar uma energia do nada, ela precisa ser transformada de algum lugar. Além disso, podemos complementar com a segunda lei da termodinâmica, que cita que certa quantidade de energia pode ser transformada 100% em calor, porém o contrário é impossível, pois sempre haverá perda. Em suma, um gerador desse tipo seria inviável, pois enquanto o aparelho funciona, ele estará perdendo energia na forma de calor, nem mesmo nos mecanismos mais eficientes alcançam um aproveitamento de 100%.

     Portanto, podemos afirmar que esse tipo de tecnologia ainda não é possível, mas provavelmente no futuro as respostas para esse enigma serão encontradas, pois existem muitos cientistas estudando o assunto e com a crescente evolução da tecnologia, novas portas são abertas todo dia para a humanidade. Talvez você tenha ficado triste com a notícia, pois está preocupado com seu consumo de energia e buscar alternativas para economizar.

    Mas não se desespere! Na INOVATECH fazemos serviço de Eficiência energética, no qual analisamos seu sistema elétrico e o ajudamos a encontrar medidas para otimizar seu custo de energia. Agende já sua reunião conosco!

3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!

Categorias
Engenharia Elétrica

Nikola Tesla e a corrente alternada

Nikola Tesla e a corrente alternada

Nikola Tesla

     Nikola Tesla foi um cientista, engenheiro eletricista e inventor austro-húngaro. Seus inventos contribuíram para o avanço da tecnologia e seus estudos revolucionaram áreas como da ciência da computação, da física teórica e nuclear. Atualmente, ele é considerado um dos maiores gênios da humanidade e um dos mais importantes visionários desse tempo, ao lado de Albert Einstein e Isaac Newton.

     Nikola Tesla nasceu no dia 10 de julho de 1856 no vilarejo de Smiljan, região que na época pertencia ao Império Austro-Húngaro e atualmente faz parte do território da Croácia. Segundo a lenda, Tesla nasceu durante uma tempestade de raios. Seu pai desde cedo focou em educar o menino para desenvolver memória e raciocínio lógico e sua mãe era descendente de uma família de inventores. Acredita-se que ele tinha memória fotográfica e podia decorar livros inteiros, dormia apenas 2 horas por dia e tinha um grande fascínio pelos numerais 3, 6 e 9. Tesla também tinha uma condição que fazia com que enxergasse clarões de luz e alucinações que lhe traziam inspiração e ideias. Além disso era capaz de enxergar, em sua mente, suas invenções completamente prontas e funcionando antes mesmo de começar a esboçá-las no papel. Tesla falava 8 idiomas com fluência: sérvio, checo, latim, italiano, alemão, húngaro, francês e inglês.

     Em 1873 Ingressou no Instituto Politécnico de Graz, na Áustria, com o intuito de se graduar em Engenharia Elétrica. Mais tarde transferiu-se para a Universidade de Praga, mas não chegou a terminar o curso. Foi ali que seu fascínio pela engenharia elétrica foi despertado. Em 1880 entrou para a companhia telefônica de Budapeste, atual Hungria, sendo o eletricista-chefe da empresa e engenheiro do primeiro sistema telefônico do país. Nesta época, desenvolveu um aparelho repetidor ou amplificador de telefone, que pode ser considerado o primeiro alto-falante do mundo.

     Nos anos 80 trabalhou na França e depois nos Estados Unidos, onde foi assistente do famoso Thomas Edison. Em 1885, ele disse que poderia reprojetar os ineficientes motores e geradores de Edison, fazendo melhorias de serviço e economia. Foi prometido a Tesla que se ele resolvesse o problema ganharia cerca de 50 mil dólares, mas quando o solucionou e perguntou sobre seu dinheiro, recebeu a seguinte resposta: “Tesla, você não entende o humor americano“. Tesla se demitiu.

     Tesla continuou suas pesquisas, e se hoje podemos ter luz elétrica em nossas residências é graças ao modelo de Tesla da corrente alternada, desenvolvida por ele quando fora contratado pela Westinghouse para criar a linha de transmissão e viabilizar o primeiro sistema hidrelétrico do mundo. O seu sistema de corrente alternada recebeu duras críticas de Edison, que dizia que ele era ineficiente e não devia ser levado a sério. O sistema de corrente contínua tinha sido criado por ele e era o padrão adotado nos Estados Unidos e, com a mudança do padrão, Edison perderia muito dinheiro a cada ano. Segundo seu sistema, para a transmissão de energia elétrica precisaríamos de uma usina de energia elétrica a cada quilômetro quadrado. Já o sistema de Tesla usava cabos menores, alcançava maiores tensões e podia transmitir energia elétrica a distâncias muito maiores. Thomas Edison em exibições públicas, eletrocutava gatos e cachorros usando a corrente alternada de Tesla, com objetivo de mostrar como era perigoso sistema de corrente alternada e convencer a opinião pública de que não era segura para se ter em uma casa. Para a nossa sorte, o sistema de Tesla era mais barato e funcional e foi adotado não só nos EUA, como em diversos países, caminhando para ser o padrão global.

     Em 1894, Nikola Tesla recebeu o título Honoris Causa pela Universidade de Columbia, e a medalha Elliot Cresson, pelo Instituto Franklin. Em 1912, recusou-se a dividir o Prêmio Nobel de Física com Edison, e o Prêmio acabou sendo dado a outro pesquisador. Em 1934, a cidade da Filadélfia concedeu-lhe a medalha John Scott pelo seu sistema de energia polifásico. Nikola era membro honorário da Associação Nacional de Luz Elétrica e membro da Associação Americana para o Avanço da Ciência.

     Ao todo, Nikola Tesla registrou cerca de 40 patentes nos Estados Unidos e mais de 700 no mundo todo. Suas invenções deixaram importantes contribuições para o desenvolvimento das tecnologias mais importantes dos últimos séculos, como da transmissão via rádio, da robótica, do controle remoto, do radar, da física teórica e nuclear e da ciência computacional.

3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!

Categorias
Engenharia Elétrica

Porque a Copel quer que você tenha painéis fotovoltaicos?

Porque a Copel quer que você tenha painéis fotovoltaicos?

Imagem painéis fotovoltaicos

         Como já foi visto no texto “Energia Solar: Fonte de energia do presente para o futuro!” disponível aqui no Blog, os painéis fotovoltaicos fazem parte de uma tecnologia cada vez mais presentes em residências e empresas. Além de diminuir o impacto ambiental, a instalação de painéis é uma medida que acaba pesando menos no bolso de quem resolve adotar, sendo que o retorno, a médio e longo prazos, é alto. Porém, ainda temos uma questão a responder: Qual é a vantagem dos painéis fotovoltaicos para empresas distribuidoras de energia, como a Copel?

           Com o aumento dos aparelhos eletrônicos, a tendência é cada vez mais a energia elétrica ser utilizada. Na época de altas de temperaturas, principalmente no verão, muitas casas utilizam climatizadores e condicionadores de ar, acarretando em um maior uso da rede elétrica. Para conseguir suprir a demanda de energia, a Copel coloca em prática algumas estratégias, como o uso de suas termelétricas, porém isso encarece o custo da energia, pois a distribuidora precisará injetar mais energia na rede. No entanto, se o número de unidades geradoras de energia solar fotovoltaica aumentar, muitas casas ou empresas já produzirão sua própria energia elétrica, sendo inclusive capazes de gerar um crédito de energia com a empresa distribuidora. Esse crédito é injetado na rede caso a energia produzida ultrapasse a energia consumida e poderá ser utilizado posteriormente em dias que há pouca ou nenhuma geração, como dias chuvosos ou de noite. Com as pessoas gerando sua própria energia e com os créditos, o uso da rede elétrica acaba “desafogando”, fazendo com que precise ser ativada uma menor quantidade de termelétricas, consequentemente, não elevando tanto o custo da energia, pois não foi preciso injetar tanta energia na rede como anteriormente.

         Vale citar também que com o aumento da energia produzida por painéis fotovoltaicos, a Copel terá menos prejuízos envolvendo a perda da transmissão de energia, sendo elas técnicas, como a transformação da energia elétrica em térmica nos condutores, ou comerciais, que muitas vezes são ligações clandestinas, furtos etc. Essa perda de energia se dá pelo fato de grande parte das usinas geradores serem distantes dos locais de distribuição, resultando até mesmo em uma energia de menor qualidade, pois acaba sendo produzido mais do que é comercializado. Em suma, pode-se ser observado que os painéis fotovoltaicos são vantajosos para os consumidores e para os distribuidores de energia elétrica, além disso, sendo o Brasil um país tropical, essa será uma tecnologia que poderá ser muito bem explorada em nosso território, pois é limpa, ecológica e renovável, combinando perfeitamente com o clima de país.

            Faça já um orçamento totalmente gratuito e saiba quanto você economizaria ao utilizar painéis fotovoltaicos!

3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!

Categorias
Engenharia Elétrica Inovação

Como reduzir o valor da fatura de energia elétrica

Como reduzir o valor da fatura de energia elétrica

lampada

          Muitas vezes a insatisfação com o valor da fatura de energia acontece devido a um mal planejamento da estrutura elétrica do imóvel. Saiba como acabar com esse incômodo.

          A Eficiência Energética consiste na redução da energia utilizada para a realização de um mesmo serviço ou atividade, sem qualquer prejuízo. Por exemplo, é possível ter a mesma claridade em uma sala substituindo uma lâmpada incandescente por uma lâmpada de LED com mesma luminosidade e que consome menor quantidade de energia. Melhorar a eficiência energética de um processo provoca a redução no consumo da energia primária necessária para produzir um determinado serviço. Segundo a PROCEL (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) o uso de equipamentos mais eficientes e instalações elétricas dimensionadas gera uma economia de até 8,8% no consumo de energia elétrica. Basicamente, as principais práticas envolvem o combate ao desperdício de energia procurando conhecer onde, como e quanto de energia é utilizado, como estão as condições dos equipamentos e onde se encontram os desperdícios de energia, buscando o aproveitamento da energia “perdida” nos processos de conversão. Um dos índices que nos ajudam a medir nossa eficiência energética é o Fator de Potência.

          O Fator de Potência (FP) é um coeficiente que está entre 0 e 1 e que indica o quão eficiente é o consumo de energia elétrica por um equipamento ou sistema. Quanto mais próximo de 1, melhor é o aproveitamento energético do equipamento, e quanto mais baixo for este número, menor a eficiência ou rendimento do equipamento. Para entendermos melhor esse conceito, precisamos saber um pouco mais sobre a potência de um equipamento elétrico, que pode ser descrita em 3 partes:

          Potência Reativa: é a potência que é armazenada e retorna para fonte sem realizar trabalho útil;

          Potência Ativa: é a potência que realiza trabalho útil em um processo ou equipamento, ou seja, é de fato utilizada na conversão de energia elétrica em mecânica, térmica, etc.;

          Potência Aparente: é a potência que se mede com os medidores convencionais e é a soma vetorial das outras duas potências;

          Uma analogia bastante utilizada para exemplificar essas 3 potências é de um copo de chopp. Pode-se dizer que a Potência Aparente é a altura inteira do copo. A Potência Reativa é a espuma que ocupa espaço no copo, mas não mata a sede. A Potência Ativa é o líquido, que é o mais importante e mata a sede, como mostra a imagem a seguir:

        O Fator de Potência é a razão entre a Potência Ativa e a Potência Aparente. Segundo a Legislação Brasileira o FP mínimo permitido para as contas de energia é de 0,92. Abaixo deste valor a concessionária deve cobrar multa na fatura de energia seguindo o modelo a seguir:

        Consequentemente, quanto menor o FP, maior vai ser a multa gerada. As principais causas do baixo Fator de Potência são lâmpadas fluorescentes, transformadores sem ou com baixa carga e motores de indução (motores mais usados na indústria). Quando cargas indutivas, como em um motor elétrico, são acionadas com alimentação por corrente alternada, ocorre um fenômeno de defasagem entre as ondas da corrente e da tensão, causando o surgimento da Potência Reativa. Isso não quer dizer que o motor seja ruim, mas é uma característica de equipamentos que trabalham por indução eletromagnética. A forma de compensar esse baixo Fator de Potência é a instalação de bancos de capacitores em paralelo na entrada de energia ou no próprio equipamento com carga indutiva. Esses bancos introduzem na instalação uma carga capacitiva, com efeito contrário da carga indutiva. Isso compensa o baixo Fator de Potência e ajusta o valor para mais próximo de 1.

        Quando o valor do Fator de Potência é corrigido, diversos benefícios podem ser percebidos:

  • Redução dos valores da fatura de energia elétrica;

  • Aumento da eficiência energética da empresa;

  • Aumento da vida útil dos equipamentos e das instalações;

  • Redução das perdas de energia elétrica por aquecimentos nos condutores;

  • Aumento da capacidade dos equipamentos de manobra;

  • Melhoria da tensão;

  • Redução da Potência Reativa.

      É sempre válido lembrar que a consultoria em Eficiência Energética e a correção do Fator de Potência devem ser feitas somente por profissionais qualificados. A INOVATECH Empresa Júnior conta com uma equipe especializada no assunto, clique aqui e agende uma visita agora!

3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!

Categorias
Inovação

Invenções Brasileiras

Invenções Brasileiras

imagem invenções brasileiras

        No decorrer da história humana, diversas nações e pessoas investiram seus recursos e esforços para a criação de inovações tecnológicas que se tornariam muito importantes para as próximas gerações. Países como Estados Unidos, Reino Unido, Japão, Alemanha, França e Polônia se tornaram mundialmente conhecidos por inventos que são utilizados até o dia de hoje. O Brasil também contribuiu com suas inovações tecnológicas sendo que a história de muitas delas, infelizmente, ainda é desconhecida entre os próprios brasileiros. Por isso este texto tem o objetivo de apresentar algumas invenções brasileiras e seus respectivos criadores.

        AVIÃO

     Talvez esse seja o invento brasileiro mais conhecido mundialmente, apesar da polêmica para decidir quem foi o verdadeiro inventor do avião: os americanos “irmãos Wright” ou o mineiro “Santos Dumont”. É reconhecido, porém, que o modelo utilizado pelo brasileiro foi o primeiro modelo de avião que poderia decolar por meios próprios, ao contrário do protótipo usado pelos Wright, que somente conseguia sair do chão através do impulso de uma catapulta.

        Santos Dumont, nascido em 1873 na cidade mineira de Palmira (atual Santos Dumont), dedicou seus estudos à engenharia para construir um protótipo voador mais denso que o ar. Com isso, em 1905, Dumont criou seu primeiro planador, inspirado no modelo do primeiro aeroplano da história feito pelo inglês George Cayley. Já em 1906, iniciou a construção do seu maior modelo que futuramente revolucionaria os modos de transportes utilizados na época: o 14-bis. Inicialmente o modelo estava atrelado a um balão de gás de hidrogênio que tinha como função diminuir o peso do avião, porém ao mesmo tempo gerava um maior valor de arrasto com o vento, não permitindo o 14-bis ganhar velocidade.

       Após diversos testes, em 3 de setembro de 1906, Santos Dumont apareceu com seu 14-bis agora funcionando a partir de um leve motor de barco com 50 cavalos de potência para realizar o seu primeiro vôo. O modelo atingiu 30,8 km/h e uma distância de 11 metros este dia, ficando conhecido como a data do primeiro vôo de um aeromodelo mais denso que o ar propulsionado por meios próprios. Entrando para o hall das maiores invenções brasileiras e do mundo.

        WALKMAN

      Mundialmente distribuído pela empresa japonesa Sony, o invento fez sucesso pela sua versatilidade permitindo que as pessoas da época ouvissem suas músicas em qualquer lugar utilizando fones de ouvido. Talvez o que muitos não saibam é que este aparelho revolucionário para a indústria musical tem suas origens ligadas ao Brasil.

        O feito da criação do primeiro “toca-fitas” portátil pertence ao brasileiro Andreas Pavel, nascido em 1945 na Alemanha e naturalizado brasileiro aos seis anos. Os testes iniciais do “stereobelt” (como Pavel gostava de chamar seu invento) aconteceram em 1972, enquanto Pavel estava na Suíça. Ao apertar o botão “play” em seu aparelho, o stereobelt começou a tocar a música “Push Push” de Herbie Mann e Duane Allman, podendo ser esta a primeira música reproduzida através de um toca-fitas portátil.

      Prevendo o sucesso de seu mais novo invento, Andreas Pavel foi atrás de grandes empresas fabricantes de produtos musicais na época, tais como Yamaha, Philips e ITT, sendo sua ideia rejeitada pelas três corporações ao dizer que não acreditavam que as pessoas gostariam de ouvir música com fones de ouvido.

     Conheça mais sobre invenções brasileiras que mudaram o rumo da engenharia em nosso blog! 
3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!

Categorias
Engenharia Elétrica Engenharia Mecânica

Mecanização Agrícola

Mecanização Agrícola

imagem Mecanização agrícola

         A mecanização agrícola é uma tendência nas diversas atividades realizadas em propriedades rurais, abrangendo desde atividades mais simples até as mais complexas. Ela pode ser praticada não apenas com melhorias no uso de máquinas e implementos agrícolas empregados no preparo do solo e plantio, mas também com ferramentas específicas para serem empregadas em atividades e maquinários específicos.

         São diversas as tarefas que podem ser executadas com grande facilidade e eficiência, por meio da mecanização. Com isso, os custos de produção tendem a ser menores e a propriedade agrícola torna-se mais lucrativa e bem sucedida no mercado.

           Onde ela pode ser observada?

        A mecanização agrícola pode ser observada em diversas atividades praticadas em pequenas e grandes propriedades como horticultura, fruticultura, pecuária, cafeicultura e na produção de grãos, seja com a utilização de equipamentos de transporte, de tração animal ou mecânica. A mecanização pode estar presente até mesmo nos sítios e chácaras, cujo objetivo principal é o lazer, na utilização de tesouras de poda, na manutenção de cercas vivas, nas roçadeiras manuais ou motorizadas, ou até mesmo os tratores, específicos para corte de grama.

          Exemplo em destaque

         No contexto atual muitos pesquisadores estão buscando desenvolver drones pelo fato de possuir uma grande versatilidade, já que podem desempenhar diversas funções na fazenda e possuem custo relativamente baixo, variando de acordo com modelo e tecnologias embarcadas. Um aparelho sozinho é capaz de analisar a plantação, podendo detectar pragas e visualizar o crescimento da mesma, demarcar o plantio utilizando da vista aérea, pulverização de lavouras, telemetria (medição do tamanho da propriedade), entre diversos outros recursos.

        A busca por esse tipo de tecnologia vem movimentando o mercado rural como um todo. Os grandes e pequenos proprietários de terra estão adaptando-se a mecanização tendo em vista o que essa mudança está gerando a partir de pequenos investimentos, demonstrando que tais implementações são benéficas para a comodidade, rentabilidade e eficiência nas atividades do campo.

3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!

Categorias
Engenharia Elétrica

Como economizar com SPDA?

Como economizar com SPDA?

imagem economizar com SPDA

           Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Brasil é um dos países com maior ocorrência de relâmpagos no mundo. Tal fato se dá por sua grande extensão territorial e localização próxima ao equador geográfico, fazendo dele o maior país da zona tropical do planeta, onde o clima é mais quente e, portanto, mais favorável à formação de tempestades e raios. Estima-se que cerca de 77,8 milhões de relâmpagos atinjam o solo brasileiro por ano. Isto equivale a uma média de aproximadamente 9 relâmpagos por km2 ao ano. Assim, economizar com SPDA e ter um sistema eficiente é muito importante.

       Estudos recentes têm mostrado que a ocorrência de relâmpagos tem aumentado significativamente sobre as grandes áreas urbanas. Acredita-se que este efeito esteja relacionado à formação das ilhas de calor criadas em função das superfícies artificiais (asfalto), dificuldade de re-irradiação por causa dos prédios, falta de vegetação e a poluição atmosférica.

         Apesar da chance de você ser atingido por um raio seja menor do que 1 para 1 milhão, esses fenômenos naturais matam em média 120 pessoas por ano no Brasil. Além do impacto humano, o prejuízo financeiro causado pela ação de raios no país tem grande impacto chegando, segundo o INPE, a cerca de 1 bilhão de reais por ano.

       Um Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA), popularmente chamado de para-raios, tem como objetivo blindar uma edificação, seus ocupantes e os equipamentos eletrônicos dos efeitos térmicos, mecânicos e elétricos associados às descargas atmosféricas. O sistema atua através da criação de um caminho de baixa resistência elétrica para a corrente elétrica fluir para o solo sem passar pelas partes condutoras da estrutura ou através de seus ocupantes.

       O número de imóveis com sistemas de proteção cresce a cada ano devido a garantia de proteção por anos e à baixa complexidade do projeto de dimensionamento, projetos que levam alguns meses para apresentar resultados. Além disso, o projeto SPDA é uma das exigências para a obtenção e renovação do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) e todo o projeto deve seguir as especificações técnicas da Norma NBR 5419, emitida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Caso o projeto não siga as especificações, você poderá ser multado, assim, uma das principais maneiras para economizar com SPDA é possuir este sistema.

         Os principais componentes do SPDA são:

              · Terminais aéreos

              · Condutores de descida

              · Terminais de aterramento

         Condutores de ligação equipotencial

      Os terminais aéreos são hastes condutoras rígidas montadas em uma base com o objetivo de “capturar” o relâmpago. Eles devem ser instalados nos pontos mais altos da estrutura. Os condutores de descida são cabos que se conectam os terminais aéreos aos terminais de aterramento, que por sua vez os conecta ao solo. Os terminais de aterramento são tipicamente condutores de cobre ou revestidos com cobre e o nível do aterramento varia com as características do solo. Já os condutores de ligação equipotencial visam igualar o potencial entre os diferentes condutores para impedir descargas laterais.

      Um sistema SPDA também pode incluir também um dispositivo de proteção contra surtos (DPS), sistema cuja função é fazer a proteção interna da edificação contra danos causados por descargas atmosféricas em eletrodomésticos, eletroeletrônicos entre outros, além de proteger contra quedas de energia e sobrecargas. O DPS é parecido com um disjuntor e é instalado diretamente na caixa de distribuição geral ou pode ser instalado entre a tomada de energia e o equipamento desejado.

      Espero que este artigo tenha tirado suas dúvidas em relação ao funcionamento, a necessidade de instalação do e como economizar com SPDA na instalação do mesmo. Nós da INOVATECH somos especialistas em projetos de dimensionamento de SPDA e prezamos pelo aumento da integridade e segurança das pessoas, das edificações e dos equipamentos. Clique AQUI e faça seu orçamento gratuitamente!

3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!

Categorias
Inovação

Veículos autônomos: Você sabe o que são ?

Veículos autônomos: Você sabe o que são ?

imagem veículos autônomos

        A tecnologia nunca para de se inovar. Em questão de horas, uma nova invenção surge no mercado, impactando de maneira positiva o mundo tecnológico, gerando toda uma área especializada e, muitas vezes, aprimorando equipamentos antigos ou os tornando obsoletos. Na indústria automobilística, as mudanças são cada vez mais notáveis e, com a alta competição nesse mercado, as empresas estão sempre se inovando para não ficarem fora da competição. A satisfação e comodidade do consumidor são os maiores focos da indústria na hora da fabricação e foi visando isso que a ideia de um veículo que “se dirige” sozinho surgiu; os chamados “Veículos autônomos”.

           • O que são os Veículos autônomos?

         São quaisquer veículos com capacidade de transportar pessoas ou bens sem a necessidade de um condutor humano. Eles são capazes de interpretar dados e identificar as melhores opções para um trajeto mais seguro e rápido.

          • Como funcionam?

          Através de sensores (radar, sonar e lidar) eles são capazes de identificar obstáculos em seu caminho. Enquanto o radar transmite ondas de rádios, o sonar as emite ao identificar um objeto, desse modo, eles captam a reflexão das ondas no mesmo e medem o tempo decorrido para calcular a distância do veículo ao objeto. Isso ocorre apenas em uma direção fixa, portanto, é necessário também o uso do lidar, que funciona de maneira parecida, liberando raios lasers e gerando coordenadas correspondentes a onde os raios refletem, porém, girando constantemente. Além disso, esses veículos contam com câmeras que simulam a visão humana, capazes de estimar a distância dos objetos e de detectar semáforos e pedestres.

         • Impacto no futuro

    Com esses veículos circulando nas ruas, a estimativa é de que os acidentes de trânsito provocados por fatores humanos diminuam drasticamente, por tratar-se de um software que visa segurança. Além disso, engarrafamentos serão diminuídos exponencialmente, pois diminuirá a diferença de reação entre os motoristas parados no semáforo, ao identificar quando o sinal abre ou fecha. Estima-se, também, que estes veículos sejam utilizados como prestadores de serviços, transportando pessoas de um lugar para o outro, não contribuindo apenas para o mercado de trabalho, como também para o meio ambiente, pois cada vez menos pessoas irão optar por ter seu próprio veículo, escolhendo os meios de transportes públicos.

         • Já é uma realidade garantida?

     Hoje, empresas como a Tesla, já contam com esses carros autônomos, no entanto, apenas funcionam sem um condutor. Nas estradas, porém, seu uso ainda não é garantia. O veículo autônomo é uma das tendências mais inovadoras no ramo automobilístico e para que isso funcione com precisão, será necessária a utilização de uma robótica avançada, além de uma inteligência artificial de ponta, para que os riscos sejam praticamente nulos. Entretanto, não são somente especialistas da área que são necessários nesse projeto, a ajuda de muitos profissionais se mostra importante, como arquitetos, ao pensar em produtos e opções à cidade para facilitar a leitura dos sensores, além de uma tecnologia diferencial como bluetooth em placas ou semáforos, que poderiam aumentar o desempenho do veículo.

       Conheça mais sobre inovações tecnológicas acessando outros posts de nosso blog!

3-golden-50-ANOS

Copyright © 2019 – Todos os direitos reservados.

A INOVATECH – Empresa Júnior de Engenharia Mecânica e Elétrica é uma empresa sem fins lucrativos, que oferece soluções buscando fomentar o empreendedorismo no Brasil. Todo o valor ganho é revertido em investimentos na formação e capacitação profissional dos nossos membros e alunos da UEM.

CNPJ: 11.729.170/0001-28

Entre em contato!