História das grandes marcas

No início da revolução industrial com o começo da produção em massa de itens de consumo, as marcas surgiram para diferenciar os produtos de diferentes fabricantes para atrair a atenção dos clientes para uma nova gama de produtos que começava a surgir. Isto servia principalmente para testar quem não conhecia aquele produto que, muitas vezes vinha de longe e sua qualidade era igual ou até superior àquele que estava acostumado a comprar de um fornecedor local.

Com o passar dos anos, as marcas se tornaram cada vez mais importantes, as indústrias começam a perceber que a marca em si já se tornava objeto de desejo dos consumidores, desenvolvendo relacionamentos muito menos racionais e mais emocionais com elas. Assim, embalagens diferenciadas, logotipos, slogans, anúncios e cartazes ganharam mais cores, e elementos criativos começam a surgir para atrair o público.

Abaixo temos algumas histórias de grandes marcas da indústria mundial:

  • Bugatti

A marca Bugatti teve origem com o italiano Ettore Bugatti no início do século 20, o jovem milanês, filho do arquiteto e designer Carlo Bugatti, criou seu primeiro veículo motorizado aos 18 anos, e seu primeiro carro, o Type 2, ganhou um prêmio internacional em 1901.

Foi apenas em 1909 que Ettore fundou a Automobiles Ettore Bugatti, depois de uma pausa durante a Primeira Guerra Mundial, a empresa retomou as atividades com foco em carros de competição na década de 20 e, em 1925, os veículos da Bugatti já acumulavam a impressionante marca de 412 vitórias. Depois desses acontecimentos, várias reviravoltas aconteceram: Jean Bugatti (filho de Ettore Bugatti) morreu aos 30 anos de idade em um acidente automobilístico, a Segunda Guerra explodiu e o próprio Ettore faleceu em 1947.

A empresa entrou em declínio e fechou em 1956, sendo ressuscitada no fim da década de 80 por um empresário italiano responsável pela criação do Bugatti EB 110, um dos modelos mais icônicos da marca.

No entanto, a fase italiana da Bugatti durou pouco: em 1995 a “nova” empresa também faliu, 3 anos depois, a Volkswagen resolveu investir pesado para trazer a marca de volta. E em 2005, depois de muito dinheiro e tempo investidos, o Bugatti Veyron nasceu: ele foi batizado em homenagem a Pierre Veyron, um dos pilotos que venceu a competição de Le Mans em 1939, e foi o principal responsável pelo renascimento da Bugatti na era moderna, popularizando assim a marca novamente.

  • LEGO

A Lego nasceu de uma das maiores crises já vividas pela Europa, Ole Kirk que era o dono de uma loja de artigos de madeira, na cidade de Billund onde criava e vendia móveis para as casas dos fazendeiros da região. Em 1929 a Grande Depressão trouxe um cenário difícil para o carpinteiro, já que ninguém mais podia gastar dinheiro com nada além do necessário, ele decidiu criar miniaturas de móveis e foi isso que o incentivou a produzir brinquedos.

O nome Lego é uma redução da frase “leg godt”, que, em dinamarquês, significa “brincar bem”. No início, era tudo de madeira: cofrinhos, carros, caminhões, casas. O negócio não era muito rentável, mas era melhor do que continuar vendendo móveis, que poucas pessoas podiam pagar naquele momento. Alguns agricultores da região, por vezes, ofereciam comida em troca dos brinquedos.

Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, em meados da década de 40, o plástico chegou à Dinamarca, uma das primeiras medidas de Kirk foi comprar uma máquina de moldagem do novo material. Ele patenteou, então, as famosas peças de encaixar e assim construiu o seu legado através dessa simples ideia.

  • Activia

A trajetória da Activia começou em 1980 quando pesquisadores e cientistas da Danone deram início aos estudos sobre como criar um iogurte funcional. Depois de anos de estudos os cientistas do Vitapole, centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Danone, criaram um iogurte que além de ter todos os componentes dos produtos homônimos, ainda continha o microrganismo vivo(DanRegularis), o que melhora o trânsito intestinal em até 40%, quando consumido diariamente.

O lançamento começou na França em 1987 com o nome Bio. No começo o produto não teve grande sucesso, mas ao ser relançado em 1997 como ACTIVIA e com grande investimento de marketing, o produto alcançou sucesso mundial tornando-se o segundo na área da saúde intestinal e o primeiro no mercado europeu e norte-americano.

No Brasil, só contaria com Activia em 2004, mas ela logo se tornou a principal marca no setor. Percebendo que o consumo poderia ser bem aceito por outros públicos (o foco principal eram as mulheres) expandiu sua campanha para homens, idosos e crianças lançando produtos com versões light, com polpa ou pedaços de frutas e natural.