Inovações tecnológicas na engenharia brasileira

Na semana passada falamos um sobre algumas inovações tecnológicas que estão surgindo pelo mundo e podem ser de grande relevância no futuro. Como amanhã comemoramos a Proclamação da República Brasileira, trouxemos algumas inovações tecnológicas que acontecendo aqui no Brasil e que podem gerar grande impacto tanto no cenário nacional quanto no mundial.

O primeiro do qual iremos falar é sobre uma impressora 3D que pode construir casas. Uma startup brasileira chamada Inovahouse3D esta trabalhando para desenvolver uma impressora 3D que utiliza concreto como matéria prima, que seja de possível aplicação na construção civil. A tecnologia já existe em outros países como China e Estados Unidos, onde este utilizou sua impressora 3D para erguer uma casa completa de 37 m² em 24 horas, com um custo de 10 mil dólares, do qual a maior parte foi gasto com itens não impressos como portas e janelas. Além da velocidade para construção, essa tecnologia também ajuda a diminuir os desperdícios com materiais.

Foto: Casa de 37 m² impressa em 3D na Rússia.

Fonte: A San Francisco startup 3D printed a whole house in 24 hours

A segunda tecnologia escolhida, assim como a impressora 3D, o Brasil não é pioneiro em seu desenvolvimento, mas está avançando gradativamente. Em 2018 será lançado em órbita o Amazônia-1, o primeiro satélite totalmente brasileiro. Além de toda a estrutura para suportar as condições físicas do espaço, o satélite também contará com câmeras capazes de fazer o sensoriamento remoto da superfície da terra, auxiliando no controle do desmatamento da Amazônia, monitoramento das zonas costeiras, dentre outras. O custo total para o desenvolvimento e execução deste projeto gira em torno de 230 milhões de reais, do qual o seu processo de desenvolvimento poderá ser aproveitado para as próximas os próximos satélites da Missão Amazônia (Amazônia-1B e Amazônia-2), barateando assim boa parte dos custos no futuro.

Foto: Satélite Amazônia-1

Fonte: Sobre o Satélite Amazônia-1

E por último, veremos uma descoberta brasileira. Um grupo de pesquisadores da USP encontrou, no Sistema Estaurino de Santos, litoral de São Paulo, uma bactéria com capacidade de produzir polímero através de um processo biotecnológico que consome metano. Ainda não se sabe muito sobre as características desse biopolímero produzido pelas bactérias e nem sua viabilidade econômica para produção, mas serão estudados nos próximos passos da pesquisa. Dependendo dos resultados encontrados, é possível que no futuro esse polímero produzido seja utilizado em massa nas indústrias.

Foto: Bactéria produz biopolímero

Fonte: Pesquisadores do RCGI isolam bactéria que produz polímero ainda não caracterizado

Essas foram 3 tecnologias atuais no cenário brasileiro. Semana passada postamos sobre a inovações tecnológicas no âmbito mundial, não leu ainda? Leia agora em Inovações tecnológicas na engenharia mundial.